Como alcançar a felicidade

tenzin-gyatso-dalai-lama-2564551_1713

“Para começar, podemos dividir todo o tipo de felicidade e sofrimento em duas categorias principais: mental e física.

Das duas, é a mente que exerce a maior influência. A menos que estejamos gravemente doentes ou privados das nossas necessidades básicas, a condição física representa um papel secundário na vida.

Se o corpo está satisfeito é praticamente ignorado. A mente, entretanto, regista cada evento, por mais pequeno que seja. Por isso, devemos devotar os nossos mais sérios esforços à produção da paz mental.

A partir da minha própria limitada experiência, descobri que o mais alto grau de tranquilidade interior vem do desenvolvimento do amor e da compaixão. Quanto mais nos ocuparmos com a felicidade alheia, maior se tornará a nossa sensação de bem-estar.

O cultivo de sentimentos amorosos, calorosos e próximos para com os outros automaticamente descansa a mente. Isto ajuda a remover quaisquer temores ou inseguranças que possamos ter e dá-nos força para enfrentar quaisquer obstáculos que encontramos.

É a principal fonte de sucesso na vida. Enquanto vivemos neste mundo estamos destinados a encontrar problemas. Se, nessas ocasiões, perdemos a esperança e a coragem, diminuímos a habilidade de encarar as dificuldades. Se, por outro lado, nos lembramos que não se trata apenas de nós, mas, que todos têm de passar pelo sofrimento, esta perspetiva mais realista aumentará a nossa capacidade e determinação para sobrepujarmos os problemas.

Na verdade, com esta atitude, cada novo obstáculo pode ser encarado como uma valiosa oportunidade de aprimorar a nossa mente! Desse modo, podemos gradualmente esforçar-nos para nos tornarmos mais compassivos, ou seja, podemos desenvolver tanto a genuína empatia pelo sofrimento dos outros, quanto a vontade de ajudar a remover a sua dor.

Como resultado, crescerá a nossa serenidade e força interior.”

S. S. Dalai Lama

Dia de Prática Ch’an com cerimónia de chá

A BLIA tem o prazer de vos convidar a participar num dia Zen, onde podem praticar meditação e apreciar a cerimónia de chá, sob a orientação da Mestra Miao Yen.

Datas dos próximos eventos:

08 de Março;
12 de Abril;
17 de Maio;
07 de Junho.
Horário:
Meditação
09:30 – 10:00 Chegada e descrição do curso
10:00 – 11:00 Meditação Parte
11:00 – 11:15 Snack
11:30 – 12:15 Meditação Parte II
13:00 Preparação de Almoço
13:00 – 13:45 Almoço
Cerimónia de Chá
13:45 – 14:30  Arrumação e Preparação de Chá Zen
14:30 – 16:00   Chá Zen

Local:
Associação Internacional Buddha´s Light de Lisboa
Rua Centieira, nº 35
1800-056 Lisboa Portugal
Localização:
Mais informamos que é necessária inscrição prévia e da existência de limite de vagas.
Quem quiser pode-se inscrever somente na meditação, ou somente na cerimónia de chá.
Requer-se o uso de meias brancas.
Aguardamos a sua confirmação por e-mail.
A Mi Tuo Fo

“Fazei com que a luz de Buda brilhe pelos três mil reinos, e que as águas do Dharma fluam continuamente pelos cinco continentes”

Buddha’s Light International Association tem o prazer de comunicar a recente criação da subdelegação portuguesa, com sede no Templo Fo Guang Shan na rua da Centieira, nº35 em Lisboa. Assim se dá corpo à vontade do nosso mentor, o Venerável Mestre Hsing Yün de “fazer com que a luz de Buda brilhe pelos três mil reinos, e que as águas do Dharma fluam continuamente pelos cinco continentes”.

Neste blog publicaremos “posts” de diversas naturezas que visam a divulgação do Dharma – o ensinamento de Buda Shakyamuni, dos ensinamentos do Venerável Mestre Hsing Yün e das actividades da BLIA em Portugal. Esperamos, desta forma, auxiliar a acender a luz do Dharma. Que ela brilhe nas dez direções e pelos três tempos por muitos kalpas.

maste_thumbrComo primeiro “post” gostaríamos de dar a conhecer o Ven. Mestre Hsing Yün e a sua obra numa curta biografia:

“O Venerável Mestre Hsing Yün nasceu em Jiangdu, na província de Jiangsu na China. Em 1927, com doze anos de idade, foi tonsurado sob a orientação do Venerável mestre Zhikai da Montanha de Qixia em Nanquim. Estudou na Escola Vinaya de Qixia e na Faculdade budista de Jiaoshan e tornou-se no 48º patriarca da Escola Chan de Linji. Tornou-se o reitor da Escola Primária de Baita, redator-geral da publicação “Raging Billows Monthly” e abade do templo de Hua Zang em Nanquim.
Na Primavera de 1949 chega a Taiwan. Torna-se o redator-geral da Revista “Human Life”, da “Awakening World” e da “Today’s Buddhism”. Em 1952, estabeleceu a Associação de Canto Budista no templo de Yilan, em Lei Yin; o grupo de propagação do Dharma, incluindo organizações de estudantes e jovens, e a Escola de Domingo para crianças que iriam criar a base da futura empresa Budista na propagação do Dharma. Em 1967, funda a ordem budista Fo Guang Shan (“Montanha da Luz de Buda”). No esforço de passagem da cultura budista foram criados por todo o mundo mais de duzentos templos, como os templos de Hsi Lai na América do Norte, o templo de Nan Tien na Austrália e o templo de Nan Hua em África. Criou também galerias de arte, bibliotecas, editoras, livrarias, escolas de Língua Chinesa, a Universidade Tsung Lin, escolas preparatórias e secundárias, a Universidade do Oeste, a Universidade Fo Guang Shan, a Universidade Nan Hua e a Universidade Nan Tien. Desde 1970, foi também fundado por si um lar para crianças, um lar para idosos membros de Fo Guang; a Clínica Nuvem e Água, e cerca de dez escolas primárias e preparatórias Fo Guang ; hospitais na China onde se educam os mais jovens, se tratam os mais velhos e se apoiam os mais fracos e pobres. Desde que saiu do posto de abade de Fo Guang Shan em 1985 foi criada a BLIA (Buddha’s Light International Association) de Chungwa. A 16 de Maio de 1992, a sede da BLIA foi criada e o Venerável Mestre tornou-se o seu presidente. Até à data presente, já existem cerca de 200 capítulos pelos cinco continentes com mais de um milhão de membros. Em 2003 recebeu o estatuto de Organização não Governamental (ONG) pelas Nações Unidas. Desta forma tem vindo a cumprir o desígnio dos ideais do Budismo Humanista- ‘Fazei com que a luz de Buda brilhe pelos três mil reinos, e que as águas do Dharma fluam continuamente pelos cinco continentes’.”